Clueless...?




Poderia ser esta a forma mais perfeita de me despedir de todos vós, que aqui me sentis neste espaço cada vez mais desprovido de qualquer sentido que possais ter-lhe atribuido ao longo dos tempos.

Já foi tanta coisa, este blog. Montra de afectos e desafectos, essencialmente... Chorastes e ristes vezes sem conta, enquanto verificastes com os vossos próprios olhos a imprevisibilidade, a insanidade crescente deste seu autor. Não seria por isso de estranhar, que para último suspiro tivesse escolhido tamanha perfeição audiovisual, para vos deleitar a alma como quase sempre tentei fazer aqui, ainda que a maioria destes textos, imagens e vídeos não passem de meros desabafos, chamemos-lhe, de simples gritos de raiva, desespero e em tempos, de alegria, ainda que extemporânea e efémera (como sempre).

Descansem, contudo, os pouquíssimos corações que ainda reservam para mim parte do seu espaço, de uma forma ou de outra. Não será assim que vos livrareis de mim... Mas que este vídeo me arrasou por completo, é inegável... E eu que tanto me tenho esforçado para deixar de ser o tal "emo" que as pessoas odeiam, desta vez não pude evitar. Espero que compreendam e me perdoem, uma vez mais, a sinceridade, quiçá insensatez ao expor uma vez mais perante vós a real fragilidade do meu ser...

2 comentários:

Anónimo disse...

quantas vezes me pergunto se a tua fortaleza nao acenta nessa fragilidade que agitas aos 4 ventos...
S.S.
beijinhus

António João Mito disse...

Profundo e intenso. Uma combinação perigosa mas pelo que li sincera. A fragilidade não é uma insensatez, todos nós a conhecemos e talvez o melhor seja perder o medo de a revelar. Não esperes para que te digam o que pensam.
Abraço
(eu fico-me por aí, como sempre)