The Journey Shiver

(Imagem: Link)


A viagem é já longa demais, para que dos rastros de pés sangrentos que outrora conduziram a vulgares destinos, se sorvam mais que memórias, perdidas numa espécie de realidade paralela, assaz inexplicável, insana.

Temo estar já demasiado embrenhado, nas florestas da perdição, para que de minh'alma possais ainda extrair, o suco de intemporais utopias, sem que com ele morrais envenenados...

Ergueis as mãos para os céus, mas o vosso deus não me pode salvar.

Sou como um louco que corre sem destino, tentando sobreviver à incomensurável crueldade dos vossos dias, incompreendido, insubmersível no lodo de ideias decompostas que comanda as vossas vidas, a tal fé na qual haveis de vos afogar, muito depois de mim.

Não escolhi ser assim. Existem coisas que simplesmente não são passíveis de qualquer espécie de controlo. E por mais que me tenteis prender... Sou demasiado selvagem, para poder ser domesticado.

Deixai-me correr, enquanto ainda tenho pernas...

Deixai-me findar, enquanto ainda tenho vida.

3 comentários:

Catsone disse...

Man, negro e profundo, dois adjectivos que me saltam logo.
Muito bom.

jardinsdeLaura disse...

Gostei, embora ache este teu texto pessismista! Gostaria de te sentir num estado de espírito mais positivo mesmo se crítico e até corrosivo como muitas vezes és!! Ainda assim um excelente texto! ;)

António João Mito disse...

"findar, enquanto ainda tenho vida."