Into Nothingness - Part I


(Imagem: Link)


Quem o olhava, ao longe, julgava-o possuidor de um frágil espírito, por trás de tão abastado corpo. Foram muitos aqueles que, ao longo dos tempos, se lhe acharam superiores, ou pelo menos, capazes de se lhe superiorizar, de uma forma ou de outra.

"É um fraco. Só pode, com aquela cara de anjo... Rapidamente o neutralizo e absorvo os proveitos da sua posterior ausência. É canja."

No fundo, este pensamento tomou conta do cérebro de imensas pessoas, cegando-as, incapacitando-as de ir mais além, no que às relações interpessoais diz respeito.
Também porque, diga-se, nada fez, jamais, para contrariar uma ideia que apenas ele sabia ser errada, e que nunca o incomodou o suficiente para o obrigar a alterar rotinas ou modos de ser/estar, pois sabia, ser o único senhor de si próprio, e jamais iria permitir que a opinião de outrem se sobrepusesse aos seus próprios conceitos de vida.

As consequências de tal teimosia, porem, vir-lhe-iam a custar bastante caro, como é possível imaginar. Afinal, nós não vivemos numa sociedade suficientemente evoluída, democrática ou humana, capaz de absorver, aceitar e até promover as diferenças, sejam elas de que espécie forem. E ele nem era assim tão "diferente" quanto isso.

Posto isto, a possibilidade de alcançar a felicidade, neste cenário, pouco mais é que utópica.

A não ser que...
(to be continued...)


7 comentários:

I.D.Pena disse...

Que inspirado que o Gravepisser está ou é :P, uma das duas.
Gostei muito :D
Quanto à felicidade, acho que a felicidade é um estado de espírito e não um sitio, por isso a não ser que haja algum local que se chame de facto felicidade, não me parece que a alcancemos, ou estamos felizes ou não estamos felizes.
Beijos e boa semana :)
Hehehe

Gravepisser disse...

I.D.Pena, tenho dias :)
Quanto à felicidade, eu não me referia a ela como um lugar físico, mas como um estado de alma apenas alcançável através de uma conjectura de factores diversos, que por hora me passam completamente ao lado.
Obrigado pela visita. Isto de comentar os comentários é uma moda que pega... Hehehe.
Beijos

I.D.Pena disse...

Acho bem que respondas aos meus comentários 8-)

Ahahahah, ok já percebi que a este comentário não vais responder.


Boa semana ;D

I.D.Pena disse...

P.S: Esqueci-me de comentar o comentário:

lol

Disseste ...

"Quanto à felicidade, eu não me referia a ela como um lugar físico, mas como um estado de alma apenas alcançável através de uma conjectura de factores diversos, que por hora me passam completamente ao lado."

Os factores são sempre diversos, e se te passam ao lado é sinal que saíste da sua trajectória, por isso vê-lá se vês a luz, ahahaha, :D

Gravepisser disse...

LOL!!! :'D

(Enganaste-te)

xD

Boa semana para ti também ;)

Beatriz disse...

Os nossos "próprios conceitos de vida" por vezes são isso mesmo. Demasiado nossos. Tão nossos que ninguém é capaz de entender, ou não querer entender.
Porquê tentar entender os "nossos próprios conceitos de vida", demasiado complicados, se há pessoas bem mais fáceis?

Por vezes penso também eu em tentar mudar o meu "conceito de vida" talvez assim fosse mais fácil, menos complicado. Talvez assim atingisse um estado de compreensão, que é isso que por vezes falta.

E sim, também vejo essa felicidade cada vez mais longe, mais dificil de alcançar.
E pergunto-me, porque não tentar mudar em vez de estar para aqui com palavreado florido, cheio de figuras de estilo para dizer coisas tão simples?

Pandora disse...

“Posto isto, a possibilidade de alcançar a felicidade, neste cenário, pouco mais é que utópica.”

Alcançar A FELICIDADE não passa de uma utopia, quer “neste cenário”, que em qualquer outro. Para mim não existe A FELICIDADE, mas sim AS FELICIDADES, que correspondem a momentos e nada mais….

Não a podemos encarar como algo a alcançar, pois seria uma luta desgastante, devemos sim aproveitar o momento; Não devemos ser Epicuristas na abordagem a este tema pois ao encararmos a felicidade como um objectivo de vida viveremos frustrados e oprimidos a cada dia que passa…

"Carpe Diem"… alcançar a felicidade não pode ser o sentido da existência humana.

Bjs
Pandora 2009