Silêncio

(Imagem: Link)


Fosse o silêncio passível de uma definição objectiva, e a maioria de nós, seria incapaz de descrevê-lo, pelo menos, da forma exacta e precisa que todos os sujeitos aos quais se aplica tal adjectivo exigem.

Fosse o silêncio mais do que um mero estado de espírito, e a maioria de nós pereceria ante a adversidade dos dias, incapazes que somos de não ouvir, peritos que somos na muy nobre arte de falar demais, sempre, sempre.

Será o silêncio sinónimo de grandeza de espírito, ou antes, a quintessência do medo?

Eis-me aqui, a divagar perante vós, sobre algo a que me fui habituado ao longo de toda a minha existência, mas que à primeira oportunidade de sobre ele me pronunciar, me tolda a vista mais do que a alma, incapacitando, quiçá de uma forma permanente, a minha própria criatividade...

Fossem todos os silêncios tão significativos como a morbidez deste blog, e decerto o mundo seria um local um pouco menos deprimente para se viver...

Citar-vos-ia aqui inúmeras passagens, de meia dúzia dos meus filmes e músicas favoritos, que decerto vos transmitiriam, muito melhor que estas palavras, o que esse tal silêncio significa para mim.

Mas não o farei, pois prefiro deixar no ar esta incerteza que, em boa verdade, sempre norteou os meus dias, e desconfio bem, continuará a fazê-lo, até ao fim dos tempos...

Apenas...

Four numbers staring back at me
Displaying the mediocrity of my presence

I'm wasting my day watching them change
The sun with it's blue sky outside
Shining down on all you happy people

I'm wasting my day waiting for rain
Need more methods to end each day

To be happy by living this way...


(Silêncio...)...



(Texto escrito para a Fábrica de Letras.)

8 comentários:

Ane Montarroyos disse...

"Será o silêncio sinónimo de grandeza de espírito, ou antes, a quintessência do medo?"

Pergunta difícil... Mas, refletindo um pouco, acredito que o silêncio pode ter, em cada situação, um sinónimo diferente.

Abraço,
Ane

Gravepisser disse...

Ane,

Ainda que provocar a reflexão de quem me lê nunca tenha sido um objectivo primordial, penso ser essa uma característica inerente a quase todos os meus textos, de uma forma ou de outra... E isso apraz-me imenso. :)

Obrigado pela visita e comentário, volte sempre. :)

Abraço

Ane Montarroyos disse...

Já voltei. ^^

Também agradeço pela visita e comentário.

Seja bem-vindo!

:)

Catsone disse...

Fiquei em silêncio depois de ler isto...
Forte.

Abraço

Beatriz disse...

E é em silêncio que te continuo a ler. Sempre.
É em silêncio que saboreio cada uma das tuas palavras, vírgulas, pontos e parágrafos ao longo de tanto tempo e tantos posts.
Porque é também em silêncio que a vida passa por mim tocada por textos como os teus.

E talvez o silêncio seja mesmo isso: poder apreciar, reter dentro de mim todas as coisas fugazes da vida.

Um beijo *

Gravepisser disse...

Minha querida Beatriz, e que alegria imensa voltar a ler-te.
De todas os silêncios antigos, é sem dúvida a tua ausência que mais me custa "engolir".
Espero voltar a ver-te, na "máxima força", muito em breve.

E muito obrigado por mais estas tuas palavras, tão valiosas, que tanto significam para mim.

Um grande beijo.

Beatriz disse...

E eu espero voltar. Por ti, e por outros que me lêem e que me deixam palavras lindas.
Uma vez disseste-me que era pelos comentários que não acabavas com o blog, pois eu digo o mesmo. É quando volto a ler e a reler todos os comentários dos que me são queridos que tenho força para voltar.

Agradeço-te, por todas as palavras escritas :)

Gravepisser disse...

Disse, e continuo a dizer... Ainda que já não escreva como antes, saber que os nossos "velhinhos" amigos não nos abandonam, e continuam a gostar do pouco que escrevemos, é o melhor tónico que podemos desejar. :)

(Isto sem desprimor dos "novos" amigos e comentadores que foram aparecendo pelo caminho, que sendo poucos, são excelentes) ;)

Sei que tens uma força imensa dentro de ti, e com ou sem os nossos comentários, voltarás sempre, a chama nunca se apagará.

Beijinhos