Bees

(Imagem: Link)


A essência da inveja (!) em todo o seu esplendor.

Como abelhas que teimam em picar-me, mesmo sabendo-me imune aos seus venenos, assim são previsíveis e vulgares, as pessoas.

Vinde a mim e impedi-me de dormir por uma noite, ir-me-ei a vós e serão muitas mais, aquelas que ireis passar em claro, aquelas em que ireis chorar não por mim, mas pela vossa própria miséria, mal vos apercebais do quão ridículos sois, submersos nessas vossas vidinhas insípidas.

Invejai-me, pois enquanto julgardes haver em mim o que quer que seja para invejar, podeis descansar, esquecendo-vos por momentos do inegável facto de que apenas andais cá por ver andar os outros, e nesse entretanto, sê-de felizes.

Tão felizes como eu serei, no dia em que do tal Nirvana beber a essência, nesta vida ou noutra qualquer, livre, finalmente livre de tudo aquilo que contribuiu para o facto de este blog existir.

Enough already?

2 comentários:

Who Am I disse...

"Vidinhas insípidas..." :(( que se enchem nem que seja 5 minutos quando falamos com quem entende de vazios e consegue não só enchê-los como encher-se.

beijinho

Gilda disse...

Há uma coisa que não entendo... após "alguns" anos de vida: se as pessoas "não gostam de nós", por que nos dão tão imensa importância?...
Hein? Boa pergunta, não?!
Beijocas!